You are currently browsing the tag archive for the ‘rio negro’ tag.

Sem dúvida nenhuma o passeio que mais gostei de toda a viagem foi ver de pertinho o Encontro das Águas.

Mas a dúvida sempre foi como fazer esse passeio sem apelar para agências de turismo. Isso por que o passeio por agência sai as 8:00 e volta as 17:00 (ou seja dura um dia inteiro) e envolve: encontro das águas, passeio no igarapé, observação de vitória régia com parada para almoço em um restaurante flutuante. Além de cobrar caro, ainda teria que dividir espaço nas fotos com um monte de gente, ficar 5 segundos no lugar e depois partir para outro e assim ficar o dia inteiro; isso sem falar no fato de que perderia 1 dia inteiro para apenas um passeio.

Navegando pelo Rio Negro para chegar ao Encontro das Águas

Sem dúvida tínhamos que achar outra alternativa. Na cidade existem vários portos de onde sai barqueiros, ferries que atravessam o Rio Negro mas descobrimos que o Porto do Ceasa (perto da Bola do Suframa) é o mais próximo ao encontro das águas, então lá fomos nós.

Ao chegar você se depara com uma série de barqueiros oferecendo seus serviços, conversamos com alguns e assim escolhemos o Fred (recomendo!! Contato no final do post) e o nosso roteiro (você pode escolher qualquer passeio, até focagem de jacaré a noite eles fazem), acertamos o preço e o resto foi só curtir.

O barco era bem legalzinho, novo, com uma cobertura para proteger do sol forte. Escolhemos o roteiro completo (igual aquele feito pela agência de turismo), com as vantagens de sermos sós nós no barco e de ser feito todo em 1 hora e meia com toda a calma do mundo, aproveitando o tempo que queríamos em cada lugar, tirando quantas fotos queríamos. Super Recomendo! O barqueiro serviu até de guia turístico mesmo, contando as curiosidades da região e de quem mora por ali.

Nós no barquinho

Saímos do porto e fomos direto para o Encontro das Águas. O encontro dos Rios Negro (coloração escura) e Solimões (coloração mais clara) que fazem parte da Maior Bacia Hidrográfica do mundo e que formam o Rio Amazonas, o maior rio do mundo.

O interessante é que os dois rios não se misturam por 6km isso por que os dois possuem velocidade, densidade e temperatura diferente. Para perceber essa diferença ao chegar pertinho do encontro coloque a mão na água e siga assim até chegar no Rio Solimões.

Rio Solimões + Rio Negro

Depois do encontro, fomos ali pertinho ver as vitórias régias… achei incrível, sempre quiz vê-las de pertinho e achei lindo!!!

“Close” das Vitórias Régias

E então ao passeio no Igarapé, passeando por dentro da floresta chega-se a uma comunidade de ribeirinhos que vive por lá, muito interessante ver as casas flutuantes pelo Rio Negro e como aquela comunidade vive, com escolas, mercadinhos e etc.

Por lá tem ainda uma das casas que entramos e que o morador tem uma criação de pirarucus (para turista ver) e por lá é possível ver de perto o peixe que pode atingir 3 metros e até alimentá-los, apesar de pega turista achei muito divertido.

Achei o passeio inteiro muito divertido e incrível. Valeu muito a pena fazer tudo por conta, com um barco só para a gente e com tempo de fazer e pararmos aonde queríamos e por quanto tempo a gente queria. Vale a pena.

 

  


Além de ver o encontro das águas do rio, é muito legal ver de cima, do ar. Sim… é possível ver o encontro das águas do ar, basta sentar do lado esquerdo (se estiver voando para o sul) do avião. Você terá  vistas lindas do Encontro do Rio Negro e Solimões e a formação do Rio Amazonas.

Acima: Encontro Rio Negro (mais escuro) e Rio Solimões (mais claro)

Abaixo: Depois do encontro, o Rio Amazonas formado

o

Mais sobre a viagem de Manaus aqui:

Resumo da Viagem

Se hospedando em uma Jungle Lodge

Passeios em meio a Floresta Amazônica

O lindo Teatro Amazonas

Uma das coisas mais legais e que estava muito ansiosa para fazer era passear pela Floresta Amazônica, entrar contato mesmo com a natureza. Para isso tem 2 opções: a primeira é fazer um passeio de 1 dia pelos hotéis florestas que te levam pelo contato básico com a região e a outra e mais legal é ficar hospedado em uma Jungle Lodge ou Hotel Floresta.

Um pedaço dos 8 km do hotel em meio a Floresta

Esses hotéis ficam instalados na beira do Rio Negro e em meio a Floresta Amazônica, basta abrir a janela do seu quarto que lá está. Existem vários hotéis e eles mesmo te oferecem um menu de passeios que vai desde observar os pássaros e o nascer do sol, até nadar com os botos. Eles programam tudo para você.

Vista para o Rio Negro do quarto do hotel Ariaú

Escolhemos o mais tradicional e conhecido: Ariaú Towers. Antes de decidirmos ficamos muito na dúvida pois lemos que o hotel não estaria no auge, porém lemos também muitas pessoas que disseram que era o único que ficava totalmente dentro da Floresta além de ficar em uma das partes mais bonitas da região. Então decidimos arriscar.

Rio Negro

O Hotel realmente está precisando urgente de uma reforma. Os quartos não são tão modernos mas são confortáveis, a estrutura de todo hotel parece estar meio abandonada mas não se pode negar o que todo mundo já havia dito: A região do hotel é lindaaaaaaaaaa… O por do sol é incrível, ele é realmente integrado dentro da floresta e tem 8km de passarela que você pode caminhar calmamente, onde pode ter a sorte (como eu!) até de encontrar um boto rosa nadando por ali.

Um pedaço do hotel

Para chegar até o Ariaú é necessário percorrer cerca de 2 horas pelo Rio Negro. O barco é providenciado pelo próprio hotel que cuida de tudo,  na reserva basta dizer o horário do seu vôo ou em qual hotel estará hospedado, eles te buscam, te levam até o pier do Hotel Tropical (da onde sai o barco) e o transfer até o hotel acompanhado de um guia que te conta todas as curiosidades da região e sabe responder todas as suas perguntas. O barco sai mais ou menos as 8:00 e retorna todo dia as 16:00.

O caminho pelo Rio Negro para o hotel

Ao chegar no hotel será recepcionado por uma índia da região e muita música . Após ser feito o check in, será designado o seu “guia” durante a hospedagem. É por ele que você reserva todos os seus passeios, tira dúvidas e te avisa de todos os horários.

Muitos passeios estão inclusos na diária e vale a pena serem explorados. Pagamos, na verdade, apenas 1 passeio extra: nadar com os botos rosa; e vou dizer que vale cada centavo.

As refeições também estão inclusas (exceto as bebidas) e são sempre regadas de muita animação e música ao vivo. No cardápio comidas típicas com peixes da região (destaque para o Tambaqui e Pirarucu, esse último o mais gostoso na minha opinião). Ahhh as sobremesas também são típicas.

O dia costuma acabar cedo, já que todos ficam exaustos de todos os passeios e além do dia geralmente começar bem cedo por lá. Mas tem umas redes para descansar e ler um bom livro, além de um bar com coquetéis para um happy hour ou para quem está em turma se divertir, tudo a beira do Rio Negro. 

Depois de tanta atividade, um descanso merecido

Ainda é possível brincar (e brigar por comida) com os moradores mais ilustres da região: os macaquinhos.

O hotel todo, principalmente o restaurante, tem que ser protegido por redes pois os macaquinhos vem furiosos atrás de comidas, é gostoso alimentá-los (apesar de não ser recomendável) e brincar com eles, mas tome cuidado pois eles ficam bravos mesmo. Mas é uma fofura quando vêm os filhotinhos pendurados nas costas da mãe.

Quantos dias ficar? Difícil responder por que depende muito do que você quer explorar na região e quanto tempo tem disponível. Eu fiquei 2 dias (ou 1 noite) e achei (para nós) suficiente. Fiz todos os passeios que queria e ainda sobrou tempo para descansar, passear pela área do hotel e curtir a companhia do maridão e da irmã que foi junto.

Entorno no hotel

Mais sobre a viagem de Manaus aqui:

• Resumo da Viagem

• Passeios em meio a Floresta Amazônica

• O lindo Teatro Amazonas

 Encontro das Águas

 

 

 

 

 

Quer falar comigo???

carpediem.blog@hotmail.com

Destinos

Redes Sociais

Twitter Button from twitbuttons.com

O Carpe Diem também faz parte do…

portal
bloglovin

Campanhas!

Mais fotos...