You are currently browsing the tag archive for the ‘restaurantes’ tag.

Assim que aterrisamos já alugamos nosso carrinho que nos acompanharia em mais de 1.500km na Ilha Norte da Nova Zelândia. Mão inglesa, foi um riso só nos primeiros dias!!! Chegamos as 5:00 da manhã em pleno breu da noite. Mas o cansaço já foi embora quando avistamos a linda Sky Tower. Aliás em qualquer lugar da cidade é possível avistá-la.

Após um breve descanso fomos desbravar a cidade, afinal teríamos apenas 1 dia na cidade (nossa prioridade no país não era cidade e sim a borbulhante Rotorua, e assim deveria ser sua viajem a NZ). E vou dizer esse 1 dia foi o suficiente para conhecermos o principal da cidade.

Saimos direto em busca do porto que convenientemente ficava a cerca de 3 quadras do nosso hotel. Lindo o porto todo revitalizado com diversas opções para almoço, jantar, happy hour, barzinhos, baladinhas… um coladinho no outro. Basta ir para lá que opção não vai faltar.

Várias opções de restaurantes e bares

O porto foi revitalizado para America’s Cup e uma parte virou marina. Tem o museu marítimo de Auckland que conta a evolução do país na área naval, tem o prédio do ferry que é lindo e imponente e de lá saem ferrys para as várias ilhas da região.

The Ferry Building

De lá fomos ver a torre de pertinho… mas ainda não subimos. Mas já tiramos várias fotos. Na verdade a torre fica no complexo Sky City onde tem restaurantes, um cassino enoooorrrrrmeeee (perdi tudo lá hahahahha…. mas a decoração é muito mais bonita do que muito cassino que já entrei), hotéis e um teatro.

Mas o encanto dessa torre fica mesmo a noite. Sendo a estrutura mais alta da Nova Zelândia e na verdade do Hemisfério Sul, a torre tem 328 metros, com vista para toda a cidade (detalhe que Auckland assim como todas as cidades que passamos não tem muitos prédios altos). De lá é possível fazer um bungee (apesar de ser controlado) e também é possível andar pela estrutura do lado de fora da torre apenas se segurando em uma corda (pavor…). Basta entrar no Sky City e se dirigir para o andar subterrâneo.

Lá fica a entrada da torre e todas essas maluquices. Tem 3 restaurantes bem legais, inclusive 1 deles giratório (Orbit) bem legal… os preços são mais carinhos mas vale pela vista. Em 1 hora ele gira os 360 graus. Ahh e só uma observação, reservando uma mesa em qualquer um dos 3 restaurantes você pode entrar 45 minutos antes para visitar os decks de observação da torre sem cobrança extra.

Descendo a rua da torre se vê um parque lindoooo… é o Albert Park.  Lá é o ponto de encontro dos estudantes da Universidade da cidade. 

Atravessando a rua você dá de cara com a Universidade de Auckland e seus vários prédios históricos e lindos. A Old Government House (que estava em reforma), a Clock Tower, Old Choral Hall, são os mais conhecidos mas tem outros prédios também bonitos. Tudo isso basta dar a volta na quadra e olhar ao redor!!! Não esqueça de ver o muro (que fica ao lado da Choral Hall e aos fundos da Clock Tower) que fechava o Albert Park onde os militares britânicos ficavam.

Todos esses prédios você pode entrar para ver o interior, a Government House tem uma decoração bem antiga com quadros e detalhes imperdíveis. A Choral Hall não tem muita graça mas a Clock Tower é linda com teto em forma de abobada e uns vitrais lindos!

Porém lembre-se que você está dentro de uma universidade que está em funcionamento, portanto bom senso é a palavra chave.

Tudo isso foi feito em uma tarde… em uma delícia de passeio.

Quer fazer compras?? Nunca achei um lugar tão legal quanto Auckland. Lá você tem, bem no centro da cidade, um Free Shop!!! E é free shop mesmo, e não outlet; por isso não vá esperando araras e mais araras de roupas e aquela bagunça só. 

O Old CostumHouse era o departamento Alfandegário do porto e hoje virou um free shop recheado de marcas boas com preços supercamaradas. Tem marcas de Louis Vitton, Burberry, Dior, Chanel, várias marcas de cosméticos… um sonho!!!

Para comprar?? Funciona mesmo como um free shop, portanto não esqueça de levar o passaporte e sua passagem de volta. Você compra, paga e recebe um recibo para pegar a mercadoria.

Onde pegar?? Lá dentro do free shop mesmo. Sabe depois do controle de passaporte? Então verá de cara o free shop, na verdade no aeroporto tem dois free shop, procure pelo Galleria (do lado esquerdo depois da polícia) e voilá!!!!

Seguro, rápido, prático e o melhor: barato!!! 

Porém não se engane… nem todo produto e/ou marca que tem na costumhouse tem no free shop do aeroporto, portanto gostou, arremate. Isso porque mesmo se tiver o mesmo produto no aeroporto os preços são os mesmos. E assim não corre o risco de você ficar sem o seu desejo.

No próximo post: a vista mais bonita da cidade de Auckland.


Fomos para São Paulo a trabalho, mas nada como aproveitar uma cidade com tanta opção de divertimento.

Desta vez resolvemos aproveitar os destinos gastronômicos da cidade… que convenhamos são muitos que se fica até perdido na hora da escolha.

Na hora do almoço resolvemos fazer um passeio ao centro da cidade, mas especificamente o Mercado Municipal de São Paulo.

Confesso que ao chegar me surpreendi, achei que iria achar um prédio todo caído aos pedaços, mas que nada o mercado estava super reformado, com detalhes na estrutura e até os virais estavam inteirinhos, achei demais!!!

Lá dentro existem bancas de frutas super frescas, cafés, bancas de temperos cheirosos e muitos bares e restaurantes com a famosa dupla: pão com mortadela e o pastel de bacalhau.

Vista de cima do Mercadão

Apesar de os bares lá embaixo também vender o famoso lanche resolvemos ir na parte superior do mezzanino. Lá existem vários bares e todos estavam lotados, para conseguir uma mesa para sentar foi um sacrifício, ser atendido então sem comentários, mas o lanche em si compensa…

Parte de cima do mezzanino cheia de restaurantes

O pão de mortadela é sempre enorme e já tem várias variedades da receita original. O pastel de bacalhau também veio super recheado e é enorme.

De sobremesa?? Nada melhor do que descer é comer uma salada com frutas super frescas que qualquer uma das barraquinhas de frutas.

Imagem que vale mais que palavras

A noite resolvemos conhecer uma outra região de São Paulo super tradicional na área da gastronomia: O Bairro do Bixiga.

Na verdade o Bixiga não é um bairro propriamente dito e sim uma região do Bairro Bela Vista, localizado entre as ruas Rui Barbosa, Avenida Nove de Julho e a Rua dos Franceses.

Essa região foi amplamente colonizado por imigrantes italianos, e a partir de então suas fortes crenças religiosa e sua gastronomia se difundiram pelo bairro.

Resolvemos provar a famosa pizza do restaurante Speranza; famoso por trazer ao Brasil a pizza marguerita e o pão com linguiça.




 

Em São Paulo tem tanta coisa para se fazer que muitas vezes se esquece que uma das partes principais da história de um lugar pode ser traduzido em sua culinária.

Update: Experimentamos também o Speranza de Moema. E gostamos mais ainda. A pizza continua maravilhosa, mas o ambiente é muito melhor. O ambiente é mais arejado, maior e com uma decoração muito melhor!!!

Logo logo mais experiências gastronômicas em São Paulo…

* Dhaigo Japanese – restaurante japonês (clique aqui)


Continuação do post anterior…

Gion: um dos bairros mais tradicionais de Kyoto, sua rua cheia de lojas é um convite ao consumo. Além disso, vale a pena reservar para visitá-lo na hora do almoço, pois existem várias opções de restaurante, desde chinês a italiano. Dizem que nesse bairro a noite, é onde se encontra várias gueixas, infelizmente não tive essa sorte. Vai ficar para a próxima….

Bairro Gion

 

Pontocho: é uma ruazinha minúscula… mas virou muito turística, bem tradicional com sua lanternas japonesas, diz ser reduto de gueixas, assim como Gion, mas também não vi. Essa ruazinha diferente de Gion não tem muitas lojas, mas tem diversos restaurantes…. e prepara-se para gastar, pois lá os pratos são caríssimos, mas os restaurantes são um charme a parte. E a comida é divina. Ainda tem a possibilidade de jantar em salas privativas e até de contratar gueixas para entreter seu jantar….

Pontocho e suas lanternas

Toji Temple: O ultimo templo que visitamos foi o Toji.. Os guias diziam que esse templo não tinha muita beleza, mas que sua importância histórica era extremamente importante. Esse templo é um dos mais antigos da cidade sendo construído em 794 d.C. pelo império com o intuito de aumentar a proteção da cidade. O pagoda de cinco andares é o mais alto de todo o Japão. Confesso que fui sem muita expectativa porém quando chegamos lá o visual foi inacreditável. O local onde esse templo se localiza não é muito convidativo, parece até meio estranho ter um templo ali mas aconselho a visita. O clima todo de outono acredito que ajudou muito… Apesar de os prédios onde ficam as estátuas serem bem antigos, empoeirados e bem velhos, a beleza dos jardins com o pagoda de fundo é incrível.

Entrada do Toji Temple e o pagoda mais alto do Japão

 

Sanjusangen-do Temple:  Esse templo é fascinante e um dos imperdíveis em Kyoto… Sua fachada não é a mais bonita, seus prédios não são os mais bonitos, mais ao você entrar e ver as 1001 estátuas de Kannon, a linda Deusa da Misericórdia. São 1.000 estátuas de tamanhos exatos, com seus vários braços e no centro existe uma estátua imensa… Simplesmente impressionante. Pena que não dá para tirar fotos lá dentro.

Entrada do fascinante templo

Castelo de Nijo: O castelo é um dos mais importantes do Japão e foi construído pelo xogum Tokugawa. Seu interior possuem paredes ornadas pelos melhores pintores da escola Kano, uma das principais da época. Além disso uma das maiores atrações é o famoso Piso Rouxinol, o intuito dele era avisar sobre possíveis intrusores sem alertá-los. Isso ocorria pelo rangido do parafusos do piso que fazem um barulho do canto do rouxinol mesmo….. O impressionante é que até hoje ao pisar você ainda escuta o barulho.  Através de bonecos também é possível explorar um pouco do cotidiano da época, e a forma como faziam reuniões sobre batalhas e etc. (p.s.: também é proibido tirar fotos no interior)

Detalhe do portão de entrada do castelo

 

Aguarde pela parte III

Segue a parte III


Quando fui para a China uma das coisas que resolvi experimentar era as comidas diferentes…. Nao… nao comi escorpião, nem barata, nem nada ECA!!! hahahaha… mas sim coisas diferentes…

As duas vezes que fui para lá… não sei se tive sorte mas comi muitoooo bem!!! E passei a gostar muito da comida chinesa (que não tem nada a ver com a comida que temos aqui). Não tem nada de gordurosa, muito pelo contrário … a grande maioria da comida é feita por vapor… então não tem nada de gordura ou algo parecido. 

Mas nada se compara a experiência de comer frutos do mar lá. A maioria dos restaurantes na China é assim: Tem varias amostras de pratos e vem uma mulherzinha acompanhando vc e anotando tudo de vc quer… e quando chegam a parte dos frutos do mar, eles querem garantir de que e freco mesmo…. 
Entao eles tem varios aquarios com todos os frutos do mar que eles tem, desde camarao, lagosta, sapo, peixes (varios tipos) e etc…..


Eles costumam dizer que se você não vivo não tem como saber que é fresco… coisas de chineses… 

Então depois que você escolhe tudo o que vai comer eles pegam na hr e fazem o prato para vc!! Eu ia tirar a foto do cara pegando os nossos camaroes mas foi tarde demais… hehehhehehhe

Bom… a foto maior e dos tanques, todos que tinham nesse restaurante, embaixo esta o que mais achei curioso nesse restaurante que foram os sapos e do outro lado a foto pedida pelo Fi os camaroes vivos!!!!
Sera que conseguem ver???

Quer falar comigo???

carpediem.blog@hotmail.com

Destinos

Redes Sociais

Twitter Button from twitbuttons.com

O Carpe Diem também faz parte do…

portal
bloglovin

Campanhas!

Mais fotos...