Replica da bomba Little Boy que caiu em Hiroshima

6 de agosto de 1945.  8:15 da manhã.

Esse é o fatídico e cruel dia. Esse foi o dia que a primeira (de apenas duas) bombas atômicas a ser usada, caiu. Esse foi o dia em que Hiroshima virou, literalmente, pó. Esse foi o dia que os relógios pararam; literalmente. Esse foi o dia que milhões de vida se perderam. Esse foi o fim da WWII.

Ir a Hiroshima é indiscritível e com certeza um dos pontos altos da nossa viagem.

Geralmente Hiroshima é viagem de 1 dia a partir de Osaka ou Kyoto. 2:30 hrs num trem bala pinga pinga. Super possível, apesar de cansativo. Ao chegar na estação principal pega-se um ônibus até o prédio da bomba. Ao descer naquele local… com aquele prédio em ruínas, sua escada entortada, estrutura de ferro da cúpula fugindo do hipocentro, sente-se o ar e o drama da história dessa cidade, hoje arborizada e considerada um símbolo de paz.

Ao descer na frente do prédio Genbaku a sensação que se tem é indiscritível, me arrepiei inteira, me emocionei e queria ver cada detalhe daquele que um dia foi o prédio mais bonito de Hiroshima. A preservação de seus destroços causam divergências, muitas pessoas queriam esquecer do acontecimento, mas felizmente muitas queriam que suas ruínas fossem uma lembrança constante das consequências da bomba.

Esse prédio era o antigo Salão da Promoção Industrial e foi muito importante na sua época, ficava a apenas 150m do hipocentro e foi a estrutura mais próxima a resistir ao impacto.

Perceba na foto que em volta do prédio não restou mais nada!!! Tudo literalmente virou pó. Fora este prédio apenas mais uns 2 ou 3 prédios mais distantes conseguiram se manter erguidos.

É impossível não se emocionar, não se arrepiar…. E difícil mesmo é conter as lágrimas.

Guias (free of payment) estão ao redor para explicar todo o trágico incidente que pôs fim a 2 Guerra Mundial.

 

 

 

Foto tirada da ponte que seria o alvo da bomba

A Bomba Atômica estava sendo mantida segredo pelo Projeto Manhattan e os EUA tinham a intenção de usá-la na Alemanha. Depois do ataque de Pearl Harbor mudou o foco para o Japão; depois de cogitarem várias cidades para os ataques, restringiram-se a Hiroshima e Nagasaki.

Hiroshima foi escolhida pois era desenvolvidada industrialmente, com poucos prisioneiros americanos, alguma importância na guerra e principalmente tinha sido poupada pelos ataques da guerra, mas o que selou seu destino mesmo foi o tempo bom. Além dos EUA quererem justificar os altos gastos com a bomba e com o intuito de querer ver e analisar os efeitos dessa arma tão poderosa (por isso a escolha por uma cidade que tivesse tempo bom).

  O alvo seria a ponte “T” que unia as “ilhas”, já que Hiroshima fica  em um delta; porém foi lançada a umas 3 quadras do local da foto a  600m do chão.

  Hoje Hiroshima é uma cidade em busca da paz. Transformou o local  mais próximo do ataque a bombas em um lindo parque cheio de  memoriais da Guerra. Entre eles:

 

  – Sino da Paz: que pode ser tocado por qualquer pessoa

 – Fogo da Paz – que só se apagará no dia em que não houver mais armas nucleares

 – Centograph: Local onde todos os anos no dia 06/08 há um memorial as vítimas e onde é colocado o nome de todos os mortos, todos os anos são descobertos novos nomes.

Centograph, Fogo da Paz e o Predio símbolo de Hiroshima

– Memorial das Crianças : foi construido em homenagem a Sadako Sasaki, uma criança de apenas 12 anos que contraiu leucemia a partir das consequências da radiação da bomba. Muito emocionante

Memorial das Crianças

– Árvores Fênix: Bem perto do Centograph existe umas arvores que foram transportadas para aquele local. Essas árvores estavam em um raio de aproximadamente 2 km de distância do hipocentro e foram totalmente queimadas, inclusive dá para perceber bem pelo ser tronco todo retorcido. Depois do ataque achou-se que não haveria vida ali até 75 anos, entretanto essas árvores continuaram a crescer novamente. Emocionante!!!!

Árvores Fênix atingidas pela bomba

Bom esses são alguns dos memoriais que existem, mas são vários os que existem ali.

Ao terminar o parque chega-se ao museu… Como adoramos ir em lugares históricos, pegamos o audio guide para aproveitar bastante, e para nosso espanto tinha em português, foi muito bom por que aproveitamos muitooooo mais.

Mas é triste demais, pois você houve os relatos dos parentes que procuravam seus filhos que tinham ido para escola que de uma hora para outra simplesmente deixaram de existir, os objetos dessas pessoas que foram as únicas coisas que os pais encontraram. 

Encontra relógios de pulso que pararam no horário da bomba e que não conseguiam tirar do pulso, pois o mesmo tinham colado na pele, vestimentas sujas de sangue, a bicicleta que ficou enferrujada sob a qual uma criança morreu pedalando, fotos das vitimas de queimaduras horríveis pelo corpo e que para espanto estavam cerca de 2km da bomba, telhados onde os sobreviventes iam escrevendo quando passavam para mostrar que estavam vivos ou para escrever que estava morrendo, janelas de ferro que simplesmente entortaram como folhas de papel, e até um degrau de um banco com a sombra de um homem que estava sentado esperando o banco abrir e que morreu ali mesmo……

E ali sim você começa a entender o significado das consequências… Pessoas que estavam a 2 – 3 km morreram simplesmente depois de 6 dias, sabe o que é isso?? 1 semana!!! De tão graves que eram as queimaduras. Fora as que morreram por envenenamento pois após o impacto da bomba e da nuvem famosa, teve a chuva negra, que nada mais eram do que fuligem, mas o que as pessoas não sabiam é que eram cheia de radiação e mataram várias outras pessoas além de matar todos os peixes!!!

Não canso de falar que foi indiscritível!!!!!

Os relógios pararam exatamente as 8:15

Objetos pessoais das vítimas, principalmente das crianças

Anúncios